Distrito de Viseu

O distrito de Viseu é um distrito português pertencente à tradicional província da Beira Alta. Limita a norte com o distrito do Porto, o distrito de Vila Real e o distrito de Bragança, a leste com o distrito da Guarda, a sul com o distrito de Coimbra e a oeste com o distrito de Aveiro. Tem uma área de 5 007 km² (9° maior distrito português) e uma população residente de 391 215 habitantes (2009). A sede do distrito é a cidade com o mesmo nome.

Viseu é o único caso de um distrito português com um enclave, devido ao encravamento da freguesia de Guilheiro (concelho de Trancosodistrito da Guarda) entre os concelhos viseenses de Sernancelhe e Penedono.

Originalmente, a reforma administrativa de Mouzinho da Silveira pôs a sede do distrito em Lamego (sendo, por isso, denominado distrito de Lamego), mas a sede foi transferida para Viseu ainda no ano de 1835, com a consequente renomeação do distrito.Para fins estatísticos (NUTS), o distrito divide-se entre a região do Centro e a região do Norte. Os concelhos da região do Centro, são, na sua maioria, pertencentes à sub-região Dão-Lafões (acrescidos de um concelho pertencente ao Distrito da Guarda), havendo ainda, desde 2008, um concelho integrado na sub-região do Baixo Mondego. Os concelhos da Região Norte se dividem pelas sub-regiões do Tâmega e do Douro cuja integração de municípios como Penedono, Moimenta da Beira e Sernancelhe tem gerado controvérsia por se tratarem de municípios sem grande ligação a esta sub-região. A divisão para fins estatísticos tem gerado certas incongruências ao dividir o distrito entre Região Norte e Região Centro, na medida em que todo ele corresponde à tradicional Beira Alta, e por isso defendido por muitos a uniformidade de todo este território compreendido entre a margem norte do rio Mondego e a margem sul do rio Douro. Nomes como Moimenta da Beira, Penela da Beira, Paredes da Beira, Mondim da Beira, entre outras localidades, registam como a Beira cobre toda a margem sul do Rio Douro no norte do Distrito de Viseu.

O distrito é limitado ao norte pelos distritos de Vila Real e Porto, a sul pelo de Coimbra, a este pelo de Aveiro e a oeste pelo da Guarda. É um dos mais montanhosos do país, dele fazendo parte os maciços das serras da Lapa, Leomil, Montemuro, Caramulo e algumas ramificações da Estrelasendo a serra de Montemuro, com 1381 m, a de maior altitude. Nos vales correm os afluentes do Douro - Torto, Távora, Varosa e Paiva -, o Vouga, o Dão e o Mondego, além de várias ribeiras.
Na área do distrito distribuem-se 24 concelhos: ArmamarCastro DaireCarregal do SalCinfãesLamegoMangualdeMoimenta da BeiraMortáguaNelasOliveira de FradesPenedonoPenalva do CasteloResendeSão João da PesqueiraSanta Comba DãoSão Pedro do SulSátãoSernancelheTabuaçoTaroucaTondelaVila Nova de Paiva, Viseu e Vouzela.
História e monumentos
A povoação primitiva é antiquíssima e sabe-se que em 572 já tinha bispo. A sua Sé foi restaurada em 1144, após a Reconquista. D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, concedeu-lhe foral em 1123 e fez da cidade um dos seus locais de residência preferidos.
O seu património monumental e artístico é riquíssimo, a começar pela Sé, um dos mais belos monumentos religiosos do país, apesar da mistura de vários estilos - gótico, manuelino, barroco - em resultado das várias obras de que foi alvo ao longo dos séculos. Admiráveis são também as Igrejas de S. Francisco, dos Terceiros, do Carmo, da Misericórdia e Via-Sacra. O Museu de Grão Vasco, instalado no antigo Paço Episcopal e recheado de obras do artista que lhe deu o nome, é uma das principais galerias de pintura do país. De salientar ainda a Cava de Viriato, tosca fortificação que faz parte da história da Lusitânia, entre tantos outros edifícios da zona histórica testemunhos da antiguidade e importância da cidade.
Tradições, lendas e curiosidades
Em Viseu realiza-se, às terças-feiras, o mercado; de quinze em quinze dias, a feira da Nossa Senhora do Padrão; e de meados de agosto a meados de setembro, a feira de São Mateus - também conhecida por feira franca - onde se expõe artesanato, produtos agropecuários e vinhos. O feriado municipal de Viseu é, aliás, consagrado a São Mateus e comemorado a 21 de setembro.
Na segunda-feira de Pascoela, tem lugar a romaria da Nossa Senhora do Crasto; em setembro a romaria de Santa Eufémia; em agosto festeja-se a Nossa Senhora da Vitória e em janeiro São Sebastião. Refiram-se ainda as festas da Nossa Senhora dos Remédios, em Lamego.
A choupana é uma construção característica de Viseu. Consiste num pequeno edifício de pedra, de forma circular, coberto com materiais vegetais. A sua finalidade é servir de palheiro. Em Penalva do Castelo, encontram-se umas cabanas, também chamadas de cortes ou cibanas. Apresentam uma forma circular, são feitas em pedra, cobertas de colmo, tendo como finalidade recolher o gado e as alfaias agrícolas, servindo até de abrigo para pessoas.
Vildemoinhos é uma povoação próxima de Viseu repleta de antigas tradições, tal como Cavalhadas. Antigamente um cortejo de moleiros com cavaleiros envergando trajes de gala dirigia-se em romaria à capela de São João da Carreira (hoje é um cortejo de carros alegóricos ainda com cavaleiros trajados com as vestes tradicionais dos moleiros e o grupo dos mordomos e dos alferes). No dia 24 de junho, dia de São João, forma-se o cortejo de manhã cedo na povoação, percorrendo depois as ruas da cidade de Viseu, regressando a Vil de Moinhos. O cortejo é formado por cavaleiros, grupo de zés-pereiras, gigantones e vários carros alegóricos.
Na serra de Montemuro os pastores usam uma vestimenta típica, composta por coroça e chapéu de palha. Na serra do Caramulo os camponeses envergam uma capucha de burel tecida com lã de ovelha.
Os serranos mais velhos vestem-se ainda com roupas de burel e por vezes é possível ouvir o aleriar, cantado de monte para monte por pastores, que preservam as lendas de lobisomens e mouras.
O artesanato engloba várias produções: cestos, mantas de farrapos, bordados tradicionais e tapetes, colchas de lã, rendas de bilros, bordados de Tibaldinho, flores de papel, cestaria de verga de castanho, fabrico de coroças, palhoças ou palheiras de junco, cestaria de palha e silva, barros negros e vermelhos, tanoaria, latoaria e artefactos em estanho e ferro forjado.
Economia
O concelho de Viseu produz trigo, milho, centeio, batatas, legumes e frutos. A cultura mais intensa é a da vinha, com a particularidade de produzir vinhos licorosos a norte, vinhos verdes na região de Lafões e vinhos maduros no Dão. A pecuária e a agricultura estão bastante desenvolvidas, e encontram-se também indústrias de madeira, marcenaria, cerâmica, metalomecânica e produtos alimentares.

FPA-Federação Portuguesa de Autocaravanismo

Membro Permanente da FICM - Federation Internationale des Clubes de Motorhomes

 2018 FPA - All Rights Reserved

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now